segunda-feira, 15 de setembro de 2014


Título original: The Monogram Murders

Sinopse:

Sentado no seu café preferido, Hercule Poirot prepara-se para mais um jantar de quinta-feira quando é surpreendido por uma jovem mulher. Ela chama-se Jennie e diz estar prestes a ser assassinada. Mais insólita do que esta afirmação é a sua súplica para que Poirot não investigue o crime. A sua morte é merecida, afirma Jennie, antes de desaparecer noite dentro, deixando o detective perplexo e ansioso por mais informação.
Perto dali, o elegante Hotel Bloxham é palco de três assassinatos. Os crimes têm várias semelhanças entre si: os três corpos estão dispostos em linha reta com os braços junto ao corpo e as palmas das mãos viradas para baixo. E dentro das bocas das vítimas, encontra-se o mais macabro dos pormenores: um botão de punho com o monograma PIJ.
Poirot junta-se ao seu amigo Catchpool, detetive da Scotland Yard, na investigação deste estranho caso. Serão os crimes do monograma obra do mesmo assassino? E poderão de alguma forma estar relacionados com a fugidia Jennie que, por uma razão indecifrável, não abandona os pensamentos do detetive belga? Hercule Poirot está de regresso num mistério diabólico que vai testar ao limite as suas célebre celulazinhas cinzentas.

Opinião:

Quando foi anunciada a notícia de que o célebre detective belga de Agatha Christie, Hercule Poirot, regressaria com um novo mistério, fiquei algo céptico dada a difícil tarefa. Sophie Hannah, autora de vários romances, também no género policial, foi a escolhida para escrevê-los, contando ainda com a aprovação da família da Rainha do Crime. Felizmente e contra todas as expectativas, penso que fez um bom trabalho e que conseguiu assemelhar bastante o seu estilo de escrita.

Apesar de que o leitor nem sempre parece ter a certeza de que Poirot se encontra bem orientado na resolução do crime, o carácter da personagem em si está bem fiel ao original: a sua personalidade, a sua forma de pensar, o seu método de investigação, até mesmo as ocasionais reprimendas quando mais ninguém utiliza as "celulazinhas cinzentas"...

O próprio modo de execução do crime não foi totalmente previsível e foi até algo surpreendente, embora se adivinhasse que uma certa personagem devia ter um papel no mistério. No entanto, a forma como foi estendido prejudicou a explicação do caso, tornando-o algo confusa, e é aqui que o livro acaba por ser mais prejudicado.

Outro aspecto importante a referir é a personagem que a autora criou para desempenhar o papel que costumava ser de Hastings (ausente neste livro): Catchpool, um polícia da Scotland Yard, narrador desta história e que tem um papel bastante activo na resolução do caso. É óbvio que está longe de ter a mente brilhante de Poirot (nem era isso que se pretendia), mas ainda assim não constitui somente um mero personagem secundário, dado que em alguns capítulos é o responsável pela recolha de informação fundamental.

Os Crimes do Monograma não está à altura das melhoras obras de Agatha Christie, tais como As Dez Figuras Negras ou Crime no Expresso do Oriente. Está sim, a meu ver, ao nível da maioria dos seus livros, o que já é bastante bom.

Classificação: 4/5

Opinião em vídeo:



11 comentários:

  1. Não sei porquê nunca gostei do estilo de Agatha Christie (parece mal dizer estas coisas XD) mas confesso que gostei de ler a sinopse e é claro a opinião!
    Bj*

    365 Days of Blues

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada pessoa tem os seus gostos ;)
      De qualquer forma experimenta pelo menos As Dez Figuras Negras... Não tem nenhum dos detectives da Agatha Christie, mas é mesmo muito bom! :P

      Eliminar
  2. Eu estou com vontade de regressar a AC. Comprei o Dez figuras nas férias e vou me atirar a ele assim que acabar a minha leitura actual.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, quero ir sabendo das tuas suspeitas à medida que fores lendo o livro :P

      Eliminar
  3. Ois,

    A mestre dos policiais, está tudo dito :D

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, é muito difícil chegar ao seu nível mas a Sophie Hannah nem se saiu muito mal :P

      Eliminar
  4. Como não conheço Agatha Christie, acho que vou começar primeiro por algum livro dela, antes de pegar nesse :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazes bem ;) Recomendo As Dez Figuras Negras ou Crime no Expresso do Oriente! :D

      Eliminar
  5. Já "conheço" Agatha Christie há uns bons anos e foram os livros dela que fizeram ganhar o gosto pela leitura e pelos policiais. Quando vi este livro nas prateleiras da Fnac também fiquei na dúvida (mas por sinal a Fnac na altura estava a oferecer umas canecas muita giras com o famoso bigode e não resisti). Partilho da tua opinião quando dizes que não é nenhum Dez Figuras Negras ou Crime no Expresso do Oriente, mas é bastante aceitável e está ao nível de outros romances dela. No geral, surpreendeu pela positiva :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Laura, bem-vinda a este espaço! :D
      Agatha Christie também teve um grande contributo no meu gosto pelos policiais e quase sempre devoro os seus livros em pouco tempo :P
      Vi essas canecas e são mesmo giras, mas já tinha comprado o livro x)
      Foi uma boa surpresa ;)

      Eliminar

Pesquisar