sábado, 16 de agosto de 2014


Título original: Lord of the Flies

Sinopse:

Um avião despenha-se numa ilha deserta, e os únicos sobreviventes são um grupo de rapazes. Inicialmente, desfrutando da liberdade total e festejando a ausência de adultos, unem forças, cooperando na procura de alimentos, na construção de abrigos e na manutenção de sinais de fogo.
Porém, à medida que o frágil sentido de ordem dos jovens começa a fraquejar, também os seus medos começam a tomar sinistras e primitivas formas. De repente, o mundo dos jogos, dos trabalhos de casa e dos livros de aventuras perde-se no tempo. Agora, os rapazes confrontam-se com uma realidade muito mais urgente - a sobrevivência - e com o aparecimento de um ser terrível que lhes assombra os sonhos.

Opinião:

Não sei exactamente em que livro li este Deus das Moscas a ser mencionado pela primeira vez mas sei que foi o suficiente para adicioná-lo à minha wishlist. Um grupo de crianças que, após um acidente de avião, têm que viver sozinhos numa ilha e que vão revelando aos poucos instintos cruéis de sobrevivência? Despertou o meu interesse. Por estranho que pareça, a partir desse momento vi-o a ser mencionado igualmente (ou pelo menos prestei mais atenção) em muitos outros meios - não só livros, mas também filmes e séries.

Dito isto, entrei na leitura desta obra com as expectativas elevadas mas cedo apercebi-me que estas não correspondiam ao que estava à espera.

A história em si tem um ritmo bastante lento e monótono. Só nos últimos capítulos é que houve algo de diferente: aquele ponto no enredo que marca o livro e a partir do qual me comecei a interessar mais. As personagens também não foram especialmente marcantes.

No entanto, tal como em 1984 ou Admirável Mundo Novo, o valor dO Deus das Moscas incide na mensagem que pretende transmitir, apesar de não ser tão transparente. De facto, cada personagem (ou até certos objectos) pode ser interpretada como uma alegoria, embora algumas não sejam tão fáceis de identificar. Neste caso vale realmente a pena, uma vez terminada a leitura, dar uma vista de olhos às múltiplas análises do livro disponíveis pela Internet fora pois estas oferecem ao leitor uma compreensão mais profunda sobre o mesmo. Irão ver O Deus das Moscas com outros olhos.

Classificação: 3/5

10 comentários:

  1. Respostas
    1. Pois... pode ser que gostes mais do que eu :P

      Eliminar
  2. Realmente já me tinham dito que este livro desiludia um bocadinho...
    Acho que não lhe vou mesmo pegar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale pelas alegorias mas não pela história em si :/

      Eliminar
  3. Concordo contigo José. Este é realmente um livro que se aprecia mais do que se gosta, se é que me faço entender. Apesar de ter gostado da história, nem sempre gostei da execução e da escrita do autor.
    No entanto, é uma obra de referência:)
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se calhar sabendo a priori o que cada coisa significa a experiência de leitura é diferente. Não há dúvida que, pelas tais alegorias, é uma obra de referência :)

      Eliminar
  4. Tenho imensa curiosidade para o ler, mas vou ter de começar a fazê-lo sem esperar adorar :P
    Vi o filme de 1990 há uns anos atrás e na altura marcou-me imenso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não vi o filme mas talvez deva experimentar, a ver se gosto mais :P

      Eliminar
  5. O título tem alguma coisa que ver com o resto? Parece-me um pouco fora de contexto, mas se calhar até faz sentido.

    ResponderEliminar

Pesquisar