sexta-feira, 31 de janeiro de 2014


Não editado em Portugal.

Sinopse:

Todd Hewitt is the only boy in a town of men.
Ever since the settlers were infected with the Noise germ, Todd can hear everything the men think, and they hear everything he thinks. Todd is just a month away from becoming a man, but in the midst of the cacophony, he knows that the town is hiding something from him -- something so awful Todd is forced to flee with only his dog, whose simple, loyal voice he hears too.
With hostile men from the town in pursuit, the two stumble upon a strange and eerily silent creature: a girl. Who is she? Why wasn't she killed by the germ like all the females on New World?
Propelled by Todd's gritty narration, readers are in for a white-knuckle journey in which a boy on the cusp of manhood must unlearn everything he knows in order to figure out who he truly is.

Opinião:

The Knife of Never Letting Go é o primeiro livro da trilogia Chaos Walking, de Patrick Ness, uma trilogia que tem vindo a estar rodeada de um certo hype entre os booktubers. Ora, a primeira leitura do ano, The Darkest Minds, também estava sujeita aos mesmos termos e foi uma decepção. Foi uma lição reaprendida: moderar as expectativas, não colocar um livro que ainda não li pelas nuvens.
Dito isto, é possível que isso tenha ajudado a que apreciasse mais esta leitura. Este é um livro do qual gostei bastante. É certo que não é para todos os gostos, mas as minhas expectativas foram cumpridas.

À excepção de um ou outro capítulo, a história desenrola-se de forma muito fluída, sem partes morosas, com muita acção e com uma certa aura de mistério em relação ao Noise, a Prentisstown e às próprias personagens.
O facto de estar em inglês não foi, de todo, um contratempo, uma vez que o vocabulário utilizado não é muito complexo, o que vai de encontro à personalidade do próprio protagonista, Todd, que é o narrador da história e que é muito servido pelas impressões. Todavia, estaria a enganar-me a mim próprio se dissesse que os erros ortográficos - intencionais no contexto da narrativa- foram algo que não me causaram qualquer desconforto, principalmente ao início...
Sendo o primeiro dos três livros, ainda não deu para ver o grau de complexidade das personagens, embora a moralidade das acções já tenha sido posta em causa e tenha notado uma evolução em Todd e Viola.
Aviso também desde já que The Knife of Never Letting Go conclui em cliffhanger, pelo que convém que The Ask and the Answer conste nos vossos planos de próximas leituras.

Esta é, indubitavelmente, uma série com um grande potencial. Para já, começou bastante bem.

Classificação: 4/5

10 comentários:

  1. Espero começar estar trilogia em breve, estou bastante curiosa. Ainda bem que mencionaste a questão dos erros ortográficos propositados, era algo que desconhecia em relação ao livro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que gostes!
      Quando iniciei a leitura já sabia que existiriam esses tais erros, mas mesmo assim a primeira impressão é estranha... Depois vamo-nos habituando :P

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Espero que gostes! Em Fevereiro irei ler o segundo :)

      Eliminar
  3. Viva,

    Ainda bem que está em inglês, os meus médicos proibiram-me de me meter em mais sagas / trilogias lol, mas pelo que percebo tem potencial para ser uma trilogia excelente,

    Fico contente que tenhas gostado ;)

    Abraço e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se muitas sagas não estivessem em inglês, o meu médico era capaz de me dizer o mesmo xD

      Eliminar
  4. É um livro que pode ter algo de interessante. Mas qual é o objectivo dos erros ortográficos propositados?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso que seja para aproximar o leitor à forma como o protagonista fala e pensa, uma vez que aprender a escrever e a ler é ilegal na aldeia onde mora.

      Eliminar
  5. Já comprei este livro e estou com uma certa curiosidade acerca dele..
    Também estou como tu cada vez mais estou a deixar de ter expectativas acerca dos livros.. Normalmente quando vou ler um livro com muitas expectativas decepciono-me sempre..
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E descer as expectativas até é bom: assim é mais fácil superá-las, portanto a sensação é ainda melhor ^^

      Eliminar

Pesquisar